sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz Ano Novo Para Todos!!!

 photo saiabhay1758476.jpg  photo 20_zps351477f0.gif

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Poema-Para Isso Fomos Feitos

 photo ac753768.gif
 photo 20_zps351477f0.gif
Para Isso FomosFeitos

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será nossa vida:

Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito o que dizer:

Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos: Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Vinicius de Moraes
 photo 20_zps351477f0.gif

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Poema do Ano Passado de Mario Quintana

 photo 88547_Christmas_Dream_by_Fionnsgeullass.png
 photo 20_zps351477f0.gif
No ano passado...

Já repararam como é bom dizer "o ano passado"? É como quem já tivesse atravessado um rio, deixando tudo na outra margem...Tudo sim, tudo mesmo! Porque, embora nesse "tudo" se incluam algumas ilusões, a alma está leve, livre, numa extraodinária sensação de alívio, como só se poderiam sentir as almas desencarnadas. Mas no ano passado, como eu ia dizendo, ou mais precisamente, no último dia do ano passado deparei com um despacho da Associeted Press em que, depois de anunciado como se comemoraria nos diversos países da Europa a chegada do Ano Novo, informava-se o seguinte, que bem merece um parágrafo à parte:

"Na Itália, quando soarem os sinos à meia-noite, todo mundo atirará pelas janelas as panelas velhas e os vasos rachados".

Ótimo! O meu ímpeto, modesto mas sincero, foi atirar-me eu próprio pela janela, tendo apenas no bolso, à guisa de explicação para as autoridades, um recorte do referido despacho. Mas seria levar muito longe uma simples metáfora, aliás praticamente irrealizável, porque resido num andar térreo. E, por outro lado, metáforas a gente não faz para a Polícia, que só quer saber de coisas concretas. Metáforas são para aproveitar em versos...

Atirei-me, pois, metaforicamente, pela janela do tricentésimo-sexagésimo-quinto andar do ano passado.
Morri? Não. Ressuscitei. Que isto da passagem de um ano para outro é um corriqueiro fenômeno de morte e ressurreição - morte do ano velho e sua ressurreição como ano novo, morte da nossa vida velha para uma vida nova.

Mario Quintana
 photo 20_zps351477f0.gif

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Poema de Natal de Fernando Pessoa

 photo 610.gif
 photo 20_zps351477f0.gif
Poema de Natal 

Natal... Na província neva.
Nos lares aconchegados,
Um sentimento conserva
Os sentimentos passados.

Coração oposto ao mundo,
Como a família é verdade!
Meu pensamento é profundo,
Estou só e sonho saudade.

E como é branca de graça
A paisagem que não sei,
Vista de trás da vidraça
Do lar que nunca terei!

Fernando Pessoa
 photo 20_zps351477f0.gif

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Poema-Sonhei Com Um Anjo

 photo 1f08a6dc.gif
 photo 20_zps351477f0.gif
Sonhei Com Um Anjo

Sonhei com um anjo aparecendo no céu
Tirando com carinho dos meus olhos o véu
Minha alma no sonho sentia-se extasiada
Como pétalas de flores a beleza derramada

Eram luminosas estrelas caindo pelo chão
Tentava pegá-las docemente com a mão
De repente sumiam da minha companhia
Que agonia meu coração nessa hora sentia 

Tanta luz na terra as estrelas do céu refletia
Todos dormiam sem ver o que acontecia
Assim como eu que via e não poderia falar
Só com a felicidade eu poderia acarinhar

Cada estrela que na terra caia uma rosa nascia
No jardim a demonstração. Acordei era dia...

Angela Lugo
 photo 20_zps351477f0.gif

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Poema Gotico de Yoman Ceifeiro

 photo 20_zps351477f0.gif
Floresta Velha

Os ventos que me sopram são sussurrados pelas árvores negras da floresta gélida,
e nessa brisa fria sinto-me sombrio como a penumbra.
Quero nessa floresta vagar enquanto a chuva cair sobre meus cabelos vastos.
Os bosques tenebrosos tem a vida e oculta figuras de olhares frios.
Posso ouvir seus ecos fúnebres,
E eu invado sua treva proibida
Perambulo em meio às névoas lúgubres cheias de assombrações.
Tenho como guia um velho corvo,
Ele entoa sua mórbida canção
E eu sigo o seu agourento chamado.
Tão profunda floresta, acolhendo minha presença errante,
Tão negra quanto o meu próprio abismo, não tem fim, abriga a sombra que tenho me tornado.

Yoman Ceifeiro
 photo 20_zps351477f0.gif