quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

A Estrela e a Cruz...


Na mesma pedra se encontram,
Conforme o povo traduz,
Quando se nasce - uma estrela,
Quando se morre - uma cruz.
Mas quantos que aqui repousam
Hão de emendar-nos assim:
"Ponham-me a cruz no princípio...
E a luz da estrela no fim!"

Mário Quintana

Tenham Um Feliz Ano Novo Com Tudo de Bom!!!
 

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Amantes Eternos


Dois amantes felizes não têm fim nem morte,
nascem e morrem tanta vez enquanto vivem,
são eternos como é a natureza.

Pablo Neruda
 

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

A Vida é Momentânea

 
 
A vida é apenas uma visão momentânea das maravilhas deste assombroso universo, 
e é triste que tantos se desgastem sonhando com fantasias espirituais.

Carl Sagan

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Teus Olhos Têm Uma Cor


Teus Olhos Têm Uma Cor

de uma expressão tão divina,
tão misteriosa e triste.
Como foi a minha sina!!!
É uma expressão de saudade
vagando num mar incerto.
Parecem negros de longe...
Parecem azuis de perto...
Mas nem negros nem azuis
são teus olhos meu amor...
Seriam da cor da mágoa,
se a mágoa tivesse cor.

Florbela Espanca

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Poema Obscuro de William Shakespeare

 photo dafbac6f.jpg
 Soneto LXV

Se a morte predomina na bravura
Do bronze, pedra, terra e imenso mar,
Pode sobreviver a formosura,
Tendo da flor a força a devastar?
Como pode o aroma do verão
Deter o forte assédio destes dias,
Se portas de aço e duras rochas não
Podem vencer do Tempo a tirania?
Onde ocultar - meditação atroz -
O ouro que o Tempo quer em sua arca?
Que mão pode deter seu pé veloz,
Ou que beleza o Tempo não demarca?
Nenhuma! A menos que este meu amor
Em negra tinta guarde o seu fulgor.

William Shakespeare

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Felicidade Morbida

 photo 382017_223144667751383_364467174_n.jpg

Onde encontro meu abrigo
Em tal sentido sem razão
Pois tu és canção lírica
Que reluz minha alma agora
Teu sentimento obscuro
É minha felicidade mórbida.
 

segunda-feira, 23 de novembro de 2015